Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

1º ANO EXERCÍCIOS DE GRÉCIA



EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES


1. O processo histórico grego gerou conceitos, instituições e valores que tiveram grande influência e presença na chamada Civilização Cristã ocidental, da qual pertencemos. Reportando-nos à História da Grécia Antiga, julgue as afirmações a seguir.
(1)   O desenvolvimento do pensamento racional entre os helenos está relacionado às novas condições socio-econômicas e políticas geradas pelo processo de desagregação do sistema gentílico e formação das póleis.
(2)   As condições de isolamento geográfico, as peculiaridades do processo de cinesismo que formou as póleis e a tendência ao predomínio do comércio externo em detrimento do interno, não evitaram a união político-institucional entre as cidades gregas sob o poder de um só Estado.
(3)   Diferentemente de Atenas, cidade essencialmente agropastoril, uma estrutura socioeconômica mercantil e dinâmica permitiu que Esparta evoluísse politicamente, passando da monarquia para a oligarquia, tirania e, finalmente, a democracia.
(4)   As leis draconianas, as reformas de Sólon, a tirania de Psístrato e os governos de Clístenes e Péricles, foram etapas importantes no processo de ampliação do direito de cidadania a todos os habitantes de Atenas, com exceção apenas dos escravos e metecos.

2. (UnB) – Leia o trecho abaixo, extraído do poema de Tirteu (séc. Vll. aC. – Esparta) chamado areté (excelência).

1




5



10




15
É um bem comum para a cidade e todo o povo / que um homem aguarde, de pés fincados, na primeira fila, / encarniçado e de todo  esquecido da  fuga vergonhosa, / explorando sua vida e ânimo sofredor, / e, aproximando-se, inspire confiança com suas palavras ao que Ihe fica ao lado. / Um homem assim distingue-se no combate. / Em breve derrota as falanges furiosas dos inimigos / com seu ardor detêm as vagas da batalha. / Se ele cair na primeira fila, perdendo a cara vida, / deu glória à cidade, ao povo e ao  pai, / (...)  o seu túmulo, os seus filhos serão notáveis entre os homens, / bem como os filhos dos filhos, e toda a posteridade. / Jamais perecerá a sua nobre glória, o seu renome / (...)


Com o auxílio do texto, julgue os itens seguintes relativos à história da Grécia arcaica.
(1)   No momento de constituição da polis, valores e poderes aristocráticos ainda se encontravam presentes na formação do homem grego.
(2)   No séc. Vll a.C. espartano, a antiga aristéia combate singular entre dois guerreiros – já cede lugar às batalhas hoplíticas, em que o sucesso militar depende do desempenho coletivo da falange, “dos pés fincados, na primeira fila” (L.2), do compromisso com o companheiro “que Ihe fica ao lado” (L.6).
(3)   O atributo maior do herói homérico, a valentia, fundamental para a conquista da fama, mantém-se e transforma-se no renome do soldado da pólis que dá “glória à cidade, ao povo e ao pai” (L.10).
(4)   A definição do estatuto dos cidadãos como semelhantes e iguais, base para a consolidação da pólis, contradiz as transformações militares que substituem o combatente individual pelo soldado hoplita.

3. As tragédias, bem entendido, não são mitos. Pode‑se afirmar, ao contrário, que o gênero surgiu no fim do século Vl, quando a lin­guagem do mito deixa de apreender a realidade política da cida­de O universo trágico situa‑se entre dois mundos, (...)
J. P. Vernant. Mito e Tragédia na Grécia antiga. Vol I.

Considerando a interpretação oferecida pelo trecho de J. P. Vernant, julgue os itens seguintes, relativos à história do mundo grego antigo.
(1)   A instauração de uma nova ordem política, com a consolidação da pólis, contribuiu para o revigoramento do mito como sustentáculo de práticas de poder.
(2)   O novo gênero – história –, contemporâneo da vitória da pólis, afirmou‑se, com Tucídides, na crítica ao mito, propondo formas mais racionais de acesso ao passado.
(3)   A llíada e a Odisséia, principais expressões da epopéia grega, falam de um mundo marcadamente democrático em que a personagem principal é o povo.
(4)   As tragédias tinham por tema estórias do presente, o que permitiu aos seus autores ignorar quaisquer lendas oriundas da tradição épica.

4. A respeito da Antigüidade Clássica, julgue os itens abaixo.
(1)   Ao contrário de Atenas e de outras pólis gregas, Esparta manteve‑se sempre oligárquica, não evoluindo para a democracia.
(2)   Politicamente, Esparta organizava‑se sob uma diarquia, ou seja, uma monarquia composta por dois reis, que tinham funções religiosas e guerreiras.
(3)   A religião grega era fortemente marcada por dogmas: os fiéis tinham de praticar o culto segundo um rígido ritual.

“Sólon, não sendo tirano, estava investido de poder supremo para mediar as azedas lutas sociais entre os ricos e os pobres que irromperam na Ática ao virar do século Vl (...)”.
Perry Anderson

5. Dentre os legisladores atenienses destacou-se Sólon. A relevância de suas reformas deve-se à abrangência econômica, social e política das mesmas. Com relação ao aspecto político das reformas, por ele empreendidas, é correto afirmar:
a)    a instituição do areópago, conselho cuja composição era limitada aos eupátridas e que, em virtude desse aspecto, revestia-se de funções exclusivamente religiosas;
b)    a criação da Bulé, ou Conselho dos Quinhentos, órgão legislativo cuja composição era restrita aos demiurgos ou comerciantes, eleitos anualmente, mediante sorteio, em número de cem por cada uma das cinco tribos atenienses;
c)    a partir do século Vll a.C., a economia ateniense assumiu um caráter monetário, fato que implicou à dinamização do comércio e, conseqüentemente, o fortalecimento da classe dos comerciantes, a qual passou a ostentar uma postura política hegemônica na Grécia;
d)    Sólon combateu os antigos privilégios sociais e políticos existentes, ao dividir a sociedade mediante um critério censitário. Tal critério passou a condicionar a participação política dos cidadãos estabelecendo assim a timocracia;
e)    Sólon revolucionou a legislação ateniense ao organizar, por escrito, as leis consuetudinárias, fundamentadas na tradição oral e que reproduziram, sobretudo, os interesses do regime político plutocrático.

6. (UnB) – Leia o texto a seguir.

“Quem poderia servir de testemunha, melhor do que ninguém, perante o tribunal do tempo, senão a grande Mãe dos olímpicos, a Terra negra, da qual tirei, um dia, as cercas, em milhares de lugares, essa Terra, outrora escrava e agora livre. Repatriei a Atenas, sua pátria fundada pelos deuses, muitos homens que haviam sido vendidos, ilegalmente ou não; outros ainda, que foram levados ao exílio e que nem mais falavam a língua ática, como acontece quando vagamos por meio mundo. Outros enfim, que, aqui mesmo, viviam na escravidão infame, sofrendo os caprichos dos seus senhores, alforriei. (...) Além disso, proclamei leis, tanto para os maus como para os bons, aplicando para cada qual a reta justiça.
Apologia de Sólon, pelo próprio, citado por Aristóteles.
Constituição de Atenas (12, 4).

Com o auxílio das informações contidas no texto, julgue os itens que se seguem.
(1)   No processo de afirmação do regime democrático ateniense, a obra legislativa de Sólon caminhou passo a passo com as reformas sociais.
(2)   A invocação da “Mãe dos Olímpicos” confirma que a esfera religiosa esteve próxima do mundo público ateniense.
(3)   Atribui-se a Sólon a criação de um tribunal popular aberto a todos os cidadãos, a Helieia, que, no mínimo, servia de instância de apelação.
(4)   Se comparada às épocas homérica e arcaica, a escravidão diminuiu consideravelmente em toda a Grécia, durante o período Clássico.
     
      Vamos, filhos dos gregos, libertai a vossa pátria, libertai os vossos filhos e as vossas mulheres, os santuários dos deuses, vossos pais e os túmulos dos vossos avós; lutai hoje por todos os vossos bens.
Ésquilo. Os Persas.
7. O trecho acima pertence a uma peça do teatro grego, que representa uma das grandes realizações desse povo na antigüidade. Com uma cultura prodigiosa os gregos produziram uma civilização única, suas obras e seu pensamento marcam profundamente nossa sociedade e cultura. A respeito da notável cultura grega e seu teatro, julgue as afirmativas.
(1)   O teatro na Grécia uniu o pensamento racional e lógico com a riquíssima mitologia grega, produzindo obras impressionantes, tanto pela temática como pela narração primorosa.
(2)   A tragédia, expressão do teatro grego, teve em Atenas sua manifestação mais expressiva como um ato cívico.
(3)   Os escritores mais ilustres, como Ésquilo, Sófocles e Eurípedes, tiveram na polis espartana o espaço para suas obras.

“Os Atenienses denominaram, por vezes, Sólon como o pai da democracia, mas isso era um mito anacrônico. Embora tanto Sólon como Psístrato tivessem, por vias diferentes, aplanado o terreno, enfraquecendo o sistema arcaico, especialmente o monopólio político das famílias aristocráticas, nenhum deles, escusado será dizer, tinha em mente a democracia. A mudança, quando chegou, foi rápida e súbita, seguindo-se ao derrube da tirania, em 510 a.C., com ajuda dos Espartanos e da guerra civil de dois anos que se seguiu; e o arquiteto do novo tipo de governação foi Clístenes. Clístenes não foi um teórico, e parece ter-se tornado um democrata virtualmente por acidente, ao virar-se para a gente comum quando precisou com urgência da sua ajuda, nas confusas lutas provocadas pelo vazio de poder após a deposição do tirano, Hípias, filho de Psístrato. A estrutura de Clístenes não era ainda a de Péricles: foram necessárias duas plenas gerações para aperfeiçoar o sistema, período que incluiu não só as Guerras Pérsicas e a construção do Império, mas também muitos conflitos internos, porque as forças contrárias à democracia ainda estavam longe de estar subjugadas em 508 a.C.”
M.I. Finley. Os Gregos Antigos.

8. Com o auxílio das informações contidas no texto, julgue os itens a seguir, relativos à história dos reformadores políticos de Atenas.
(1)   Drácon, anterior a Sólon, é efetivamente o primeiro nome da lista dos ditos reformadores atenienses. Sua pessoa está ligada à criação de um código de leis escritas (621 a.C.), pondo com isso fim ao primado do direito consuetudinário, até então transmitido e preservado oralmente.
(2)   O nome de Sólon está ligado ao fim da escravidão por dívidas e ao fim do direito de primogenitura: é a democracia se implantando em Atenas e sendo consolidada por Psístrato, ao extinguir todas as instituições geradas pela tirania.
(3)   A democracia escravista de Clístenes excluía do processo político não só os escravos propriamente ditos, mas também os estrangeiros (metecos) e as mulheres.
(4)   O ponto culminante da democracia ateniense foi atingido durante o governo de Péricles (461 – 431 a.C.), e seu maior feito foi estender o direito de cidadania a todos os habitantes de Atenas e conceder direitos políticos aos metecos, às mulheres e aos escravos alforriados.

“Nestas condições, a Democracia ateniense, quando confrontada com nossas modernas concepções, surge como uma oligarquia de fato, simplesmente menos estrita que as oligarquias de direito. Mas as concepções modernas não nos fornecem uma medida adequada. Sua ina­daptação salta aos olhos no que diz respeito à escravidão, que todas as sociedades antigas admitiram como uma necessidade natural, uma realidade fundamental. Por definição, o cidadão deve gozar de sua liberdade pessoal; como imaginar-se o escravo tornando-se politicamente igual àquele que continuaria a ser seu senhor, e como evitar esta monstruosidade sem transformar toda a organização social ?”
Aymard e Auboyer.

9. Com base no texto e em seus conhecimentos, analise os itens abaixo.
(1) A democracia implantada em Atenas por Clístenes serviu de modelo para as nossas atuais instituições políticas, pois foi estabelecida com base na total isonomia de direitos e deveres, princípio que se estendeu a todos os habitantes da cidade.
(2) As mudanças no aparelho administrativo e político do Estado visavam aperfeiçoar o regime escravista, eliminando a superexploração dos trabalhadores escravos, mesmo não lhes concedendo todos os direitos políticos.
(3) O trabalho escravo era a base da vida econômica da sociedade e os trabalhadores escravos, que constituíam uma parcela considerável da população da Ática, não possuíam quaisquer direitos civis ou políticos.

10. No comando dos helenos tomou o rumo do oriente. Em 334 conquistou a Pérsia, tendo depois se voltado para a Síria e mais tarde a Tiro, importante cidade fenícia. Posteriormente conquistou a Palestina e Egito, chegando depois à Índia. Com todo o oriente conquistado tornou a cidade da Babilônia a capital de seu império.
O texto refere-se:
a)  à atuação da Liga de Delos;
b)  ao imperialismo ateniense;
c)  ao expansionismo de Alexandre, responsável pela instauração do Império Helenístico;
d)  às conquistas gregas no oriente, no quadro das Guerras Médicas;
e)  à expansão médica que resultou na conquista do Império Persa.

11. A sociedade grega era constituída de cidades‑estados que possuíam formações sociais, políticas e econômicas diferenciadas. A respeito dessa sociedade, julgue os itens seguintes.
(1) Apesar das distintas composições políticas, Atenas e Esparta aboliram o trabalho escravo e mantiveram uma ordenação social segundo os estatutos militares.
(2) A colonização empreendida no mar Mediterrâneo garantiu o equilíbrio socioeconômico e desenvolveu a prática mercantil.
(3) Atenas, ao estender a igualdade sociopolítica a toda a população, favoreceu o crescimento econômico, bem como vulgarizou o estudo da filosofia.
(4) Os gregos, em virtude do desenvolvimento político e dos estudos filosóficos, racionalizaram as crenças religiosas e ignoraram os heróis.

12. Leia o texto abaixo, de Péricles – legislador ateniense –, escrito em 430 a.C.

Temos um sistema político que se chama democracia, pois trata‑se de um regime concebido, não para uma minoria, mas para as massas. Em virtude das leis, todas as pessoas são cidadãos iguais. Por outro lado, é conforme a consideração de que goza em tal ou tal domínio que cada um é preferido para a gestão dos nossos negócios públicos, menos por causa da sua classe social do que pelo seu mérito.

Com o auxílio das informações contidas no texto, julgue os itens que se seguem, relativos à Grécia antiga.
(1) Todos os cidadãos, homens e mulheres, inclusive os estrangeiros com mais de cinco anos de residência, exerciam os seus direitos políticos em igualdade de condições.
(2) Em virtude da democracia e da igualdade perante as leis, os suspeitos ou transgressores da lei não eram punidos com a perda dos direitos políticos.
(3) No século de ouro, época em que Péricles governou Atenas, o trabalho escravo foi abolido por ser incompatível com os princípios democráticos.
(4) Os cidadãos menos afortunados tinham a possibilidade de participar da vida pública, até mesmo porque esta era uma atividade remunerada.

13. (CATÓLICA) – A civilização grega antiga foi uma civilização brilhante sob vários pontos de vista: politicamente, permitiu a participação do cidadão no poder político por meio da democracia; culturalmente, forneceu as bases para o pensamento filosófico ocidental, para o teatro e vários outros ramos das manifestações artísticas. E toda essa pujança se conseguiu graças ao sistema escravista que libertava o cidadão do trabalho direto e manual. Sobre esta civilização, julgue os itens em verdadeiros ou falsos.
(0) A colonização grega entre os séculos VIII e Vll a. C., significou a completa superação de problemas como a escassez de terras férteis, o que diminuiu as tensões sociais entre hectomoros e eupátridas.
(1) Em razão das tensões sociais, Drácon iniciou uma reforma na sociedade, planejada pela aristocracia, contudo, deteve‑se a escrever as leis que até então eram orais.
(2) Podemos caracterizar a democracia ateniense como sendo excludente, na medida em que vetava a participação da mulher na vida política, favorecendo apenas os metecos e cidadãos.
(3) Apesar do helenismo definir‑se a partir da penetração do caráter urbano grego na tradicional sociedade oriental, o escravismo continuou sendo o sistema básico de produção do mundo helenístico.
(4) Para os gregos antigos, havia uma íntima relação entre a religião e o Estado, onde os deuses regiam tanto a vida privada como a pública.

“Apesar da estima que Alexandre parece ter devotado sempre a seu antigo mestre, uma barreira os distanciava: Aristóteles não concordava com a fusão da civilização grega com o Oriental. segundo ele, gregos e orientais eram naturezas distintas, com distintas poten­cialidades, e não deveriam coexistir sob o mesmo regime político. Aristóteles estava profundamente convencido de que o regime político dos gregos era inseparável de seu temperamento, sendo impossível transferi-lo para outros povos...”
Os Pensadores. Aristóteles. Nova Cultural

14. (CATÓLICA) – Analisando o trecho acima e a história da Grécia antiga, julgue os itens a seguir, assinalando V para os itens verdadeiros e F para os falsos.
(1) O trecho acima se refere ao período helenístico, período da conquista de um império asiático por Alexandre, o Grande, que tem sido considerado, com propriedade, o fim da história particular da Helade.
(2) Alexandre, juntamente com Aristóteles, seu adorável mestre, dominaram a Grécia e permitiram a fusão das culturas de várias regiões asiáticas conquistadas com os valores gregos. Essa fusão deu origem a uma manisfestação cultural, a Liga de Delos, que teve como centro as cidades de Alexandria e Pérgamo.
(3) Aristóteles estabelece nítida distinção entre as populações “bárbaras” e a pólis grega, somente esta, sendo uma comunidade perfeita, pois era a única a permitir ao homem uma vida verdadeiramente boa, seguindo os princípios morais e a justiça.
(4) A cidade de Atenas atingiu seu apogeu durante o governo Alexandre, período em que o escravismo chegou ao auge, dando condições econômicas para o desenvolvimento da cidade.
(5) Na política, durante o governo de Alexandre, retomou-se o despotismo oriental, em que a autoridade do governo era inquestionável, sepultando as conquistas de liberdade e direitos que fundamentaram a democracia grega.

2 comentários: